A ligação marítima entre o porto interior de Macau e Wanzai, em Zhuhai, vai ser reaberta em janeiro próximo, anunciou hoje o Governo de Macau.

A ligação marítima entre Wanzai e Macau vai ser reaberta em 23 de janeiro, “sendo que o novo posto fronteiriço de Hengqin [ilha da Montanha] estará igualmente prestes a entrar em funcionamento”, possivelmente no primeiro trimestre de 2020, disse o secretário para a Administração e Justiça, em conferência de imprensa.

André Cheong indicou que além de facilitarem “as deslocações da população local a Zhuhai”, estas medidas concretizam uma das exigências do Presidente chinês, Xi Jinping, no reforço da cooperação entre Guangdong e Macau e como “um ato importante para a exploração de Hengqin sob a cooperação bilateral”.

Para o responsável, esta é uma medida de facilitação que “não vai afetar muito o número de turistas da China” no território.

A passagem entre Wanzai e o terminal marítimo de passageiros do porto interior (Macau) vai funcionar entre as 07:00 e as 22:00, com uma frequência de ligações marítimas de 15 minutos, indicou, na mesma conferência de imprensa, a diretora dos Serviços de Assuntos Marítimos e de Água (DSAMA), Susana Wong.

Encerrado em janeiro de 2016, o terminal marítimo de passageiros do porto interior tinha registado, no ano anterior, cerca de 700 mil passageiros.

Agora, todos os canais de passagem, automáticos e convencionais, nas áreas de chegadas e de partidas vão poder processar 3.840 passageiros por hora, disse a segunda-comandante do Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP), Lao Wan Seong.

Susana Wong acrescentou que vão ser realizados “em breve” testes de segurança às embarcações da agência de transporte de passageiros Yuet Tung.

Em relação ao novo posto fronteiriço de Hengqin, André Cheong disse que as autoridades vão esforçar-se para que entre em funcionamento “no primeiro trimestre do próximo ano”.

O Governo tem ainda de concluir o processo legislativo, com base na lei que estabelece as normas fundamentais para a aplicação do direito da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) no ‘campus’ da Universidade de Macau, também situado na ilha da Montanha, disse.

Tal proposta será entregue ao Conselho Executivo para discussão, sendo posteriormente encaminhada para a Assembleia Legislativa “o mais breve possível”, acrescentou André Cheong, sublinhando ser ainda necessário realizar testes e simulacros de segurança antes da abertura.

No final de outubro passado, o comité permanente da Assembleia Popular Nacional (APN) chinesa delegou poderes à RAEM relativamente à juridisção do posto fronteiriço de Hengqin e terrenos adjacentes, com uma área conjunta de 16 mil metros quadros.

O Governo central encarregou Hengqin, junto à faixa de casinos do Cotai (entre as ilhas da Taipa e de Coloane), de desenvolver atrações turísticas complementares ao jogo.

Publicidade