O exercício vai incidir em três objetivos: “a evacuação segura e ordeira, a evacuação rápida e segura e a evacuação de emergência, para dominar a experiência de operação real”, explicou o chefe de primeira do Corpo de Bombeiro de Macau Lao Hou Wai, durante uma conferência de imprensa sobre o balanço do primeiro trimestre de 2019.

O exercício, com um número total de vagas de 450 pessoas, prevê a deslocação dos participantes para quatro centros de abrigo nas zonas baixas do território de Macau mais vulnerável à subida do nível da água quando uma tempestade tropical se aproxima das áreas costeiras, podendo causar inundações.

No final de março, as autoridades de Macau previram que “quatro a seis tempestades tropicais” podem entrar “a menos de 800 quilómetros do território e algumas podem atingir o nível de tufão severo ou super tufão”.

O exercício será realizado em 27 de abril, altura em que o território entra na estação das chuvas, que se deverá prolongar até setembro, sendo que as autoridades preveem que a precipitação total “será normal ou relativamente alta”.

Na mesma ocasião, Lao Hou Wai sublinhou que “Macau irá entrar na época de tufões” e por essa razão “os residentes devem preparar antecipadamente para a proteção contra o vento e reservar comida e água suficientes”.

Em meados de setembro do ano passado, o tufão Mangkhut, considerado o mais forte da temporada, causou em Macau prejuízos económicos diretos e indiretos no valor de 1,55 mil milhões de patacas (170,77 milhões de euros), provocou 40 feridos e inundações graves no território, onde o sinal máximo de tempestade tropical esteve içado várias horas.

Ao todo, as autoridades retiraram um total de 5650 cidadãos das zonas baixas e 1346 pessoas recorrerem aos 16 centros de abrigo de emergência.

Um ano antes, em 2017, o tufão Hato (posteriormente denominado de Yamaneko pelas autoridades), apesar de se caracterizar pela mesma intensidade do Mangkhut, deixou dez mortos, 240 feridos e prejuízos avaliados em 12,55 mil milhões de patacas (1,3 mil milhões de euros).

Ainda na conferência de imprensa, os Bombeiros anunciou ter havido uma redução de 18,53% nos incêndios no primeiro trimestre de 2019, em comparação com o período homólogo do ano anterior, e um aumento das ações operacionais em 4,54%.

Publicidade