“O Madem-G15 rejeita categoricamente estas informações completamente falsas, desenquadradas, estéreis, irresponsáveis e perigosas, com a única finalidade de branquear as verdadeiras razões que conduziram à nomeação atabalhoada de Aristides Gomes como primeiro-ministro”, refere, em comunicado divulgado à imprensa, o partido, criado por um grupo de dissidentes do PAIGC.

No comunicado, o Madem-G15 lamenta também a “postura solitária do líder do PAIGC ao decidir sem nenhuma prova concreta lançar ataques contra o chefe de Estado de um país vizinho e irmão, que tem ajudado a Guiné-Bissau em diversos momentos de desencontro entre guineenses”.

O partido, o segundo mais votado nas legislativas de 10 de março, alerta também o povo guineense e a comunidade internacional sobre as “maquiavélicas e vergonhosas campanhas de desinformação conduzidas por Domingos Simões Pereira” sobre o alegado fim do mandato do Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz.

O presidente do PAIGC acusou terça-feira o chefe de Estado guineense de tentar realizar um golpe de Estado, com apoio do Senegal, para nomear um Governo de iniciativa presidencial.

“Na sexta-feira, durante todo o dia, mas sobretudo à noite, o Presidente José Mário Vaz montou uma operação de golpe de Estado e que consistia na nomeação de Edmundo Mendes (ou Malam Sambu) como primeiro-ministro e a ocupação de todas as instituições públicas por elementos das forças da defesa e segurança antes da nomeação e empossamento de um governo da sua iniciativa”, afirmou Domingos Simões Pereira.

O presidente do PAIGC explicou que a “intenção não foi consumada ou terá sido abortada”, porque dois dos seus “principais colaboradores”, referindo-se a Braima Camará, coordenador do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), e Sola Nanquilim, vice-presidente do Partido de Renovação Social (PRS), o “teriam avisado de que as estruturas de apoio poderiam não suster a reação de outras forças de defesa e segurança e a fúria popular”.

“Nós suspeitamos que, para além disso, não teria recebido luz verde do padrinho da sub-região (o Presidente do Senegal, Macky Sal), que tem coordenado toda esta operação e outros desmandos do Presidente José Mário Vaz”, salientou.

A Guiné-Bissau realizou legislativas a 10 de março, mas o novo primeiro-ministro só foi nomeado sábado, depois de a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental ter admitido impor sanções a quem criasse obstáculos à concretização da ordem democrática e ter imposto até domingo passado, para a situação ficar resolvida.

O Presidente guineense, que domingo cumpriu cinco anos de mandato e marcou presidenciais para 24 de novembro, continua sem nomear o Governo.

O PAIGC indicou o nome de Domingos Simões Pereira para o cargo de primeiro-ministro, mas o chefe de Estado do país recusou alegando que aquele nome não asseguraria um relacionamento “são” e “ético”.

O partido, vencedor das legislativas de 10 de março, indicou o nome de Aristides Gomes, que assume atualmente o cargo, e que acabou por ser nomeado no sábado.

Publicidade