A cerimónia de abertura está prevista para começar às 10h30 e vai ser presidida pelo ministro de Estado e da Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, segundo uma fonte da organização do evento.

Além de Angola, vão estar presentes na maior bolsa nacional de negócios expositores de 21 países, entre os quais Portugal e Alemanha, que trazem o maior número de representantes à 35ª edição da FILDA, que vai decorrer sob o lema “Dinamizar o sector privado e promover o crescimento económico”.

No rol dos 21 países convidados estão a Alemanha, Indonésia, Suécia, Brasil, Japão, França, Índia, China, Turquia, Reino Unido, Noruega, Suíça, Israel, Uruguai, Macau e Bielorrússia, estando o último dos quais a participar pela primeira vez.

Angola vai estar representada por 65 por cento dos expositores, informou a fonte ligada à FILDA, uma realização conjunta entre o Ministério da Economia e Planeamento e a empresa Eventos Arena. Portugal, com 21 empresas, é o segundo país com o maior número de expositores, distribuídos pelos sectores de metalomecânica, alimentar, papelaria, equipamentos para a construção civil e obras públicas. A maioria das empresas portuguesas convidadas já exporta para o mercado angolano.

Embora venham a estar expostos produtos de vários ramos, os sectores predominantes na FILDA são a banca, telecomunicações, petróleos, transporte, logística e construção civil.

A edição 2019 da FILDA vai ser realizada em duas zonas distintas, o pavilhão e a área exterior, num espaço total de 20 mil metros quadrados. De acordo com a organização, vão ser criados 1.200 empregos temporários na edição deste ano da FILDA, que pode vir a receber 17.500 visitantes, contra os 10.500 do ano passado. O bilhete de acesso à feira é comprado no local ao preço de dois mil kwanzas. Os menores de 14 anos e estudantes têm acesso gratuito desde que apresentem um documento que comprove a idade e a frequência da escola.

Na cerimónia de encerramento da feira, sábado à noite, no Hotel de Convenções de Talatona (HCTA), vai ser realizada a gala “Leões de Ouro FILDA 2019”, na qual são premiadas as marcas, empresas e países que estiverem melhor representados.

Com vista ao incremento do emprego, a Eventos Arena criou uma bolsa de emprego, para onde os interessados podem enviar os currículos académicos e profissionais, para serem encaminhados aos expositores mediante necessidade de recrutamento para trabalho temporário ou não.

A feira vai estar aberta ao público logo depois da cerimónia de inauguração, de acordo com o programa, que incluiu também a realização de conferências com debates.

Ciclo de conferências

Uma conferência internacional sobre financiamento do desenvolvimento económico é realizada de quarta a sexta-feira, das 9 às 16h00. Os oradores, nacionais e estrangeiros, vão trocar ideias com os presentes sobre o desenvolvimento económico. Temas como o “Programa de Apoio ao Crédito (PAC)” e as “Modalidades da linha de crédito do banco alemão Deutschbank ao Banco de Desenvolvimento de África (BDA) vão ser discutidos em mais de 16 painéis.

A programação da FILDA inclui ainda a realização, amanhã, de conferências sobre “Angola-Portugal: investimento e reciprocidade” e, na sexta-feira, um fórum temático sobre os petróleos e seguros. Especialistas nacionais vão falar sobre a “Contribuição do sector petrolífero para a dinamização da diversificação da economia” e a “Contribuição do sector petrolífero para a dinamização da economia na perspetiva dos prestadores serviços” e a “Contribuição do sector petrolífero para a dinamização da economia na perspetiva dos operadores”.

No dia anterior, quinta-feira, vai ser abordado o tema “A importância dos seguros de responsabilidade civil”.

A FILDA é um evento anual e multissectorial de exposição e negócios, que junta empresas nacionais e estrangeiras numa plataforma multi-dimensional que propicia o estabelecimento de contactos e relações comerciais.

Publicidade