Os dois maiores partidos timorenses, Fretilin e CNRT, mantiveram-se esta quarta-feira em silêncio sobre possíveis soluções para a crise política no país, desencadeada com o “chumbo”, na sexta-feira, da proposta de Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2020.

Contactados pela Lusa, os secretários-gerais da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), Mari Alkatiri, e do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), Francisco Kalbuadi, optaram por manter “o silêncio”.

Outras fontes partidárias garantiram que o assunto está, no entanto, a ser debatido internamente, antes do início, na quinta-feira, de uma ronda de reuniões convocadas pelo Presidente de Timor-Leste, Francisco Guterres Lu-Olo, com os líderes políticos do país.

As mesmas fontes sugeriram que a posição da Fretilin assenta numa solução que passe por um governo de grande inclusão, enquanto o CNRT mostra maior abertura à realização de novas eleições.

Fontes partidárias da Fretilin, do CNRT, do Partido Democrático (PD) e do Partido Libertação Popular (PLP) admitiram à Lusa desconhecer soluções para a crise que vai deixar o país por tempo indefinido com um apertado regime duodecimal, com grande impacto numa economia que em 2019 não conseguiu recuperar de dois anos de contração.

Formalmente, o governo liderado por Taur Matan Ruak continua em plenas funções, apesar de o primeiro-ministro ter admitido esta semana que a Aliança de Mudança para o Progresso (AMP) — a coligação que o apoia — “já não existe”.

Taur Matan Ruak instruiu o executivo para cumprir as funções com normalidade, não tendo sido ainda dado qualquer passo que marque, formalmente, o fim do VIII governo saído das eleições antecipadas de 2018.

A crise política é consequência de dois anos de divergências políticas e de intransigência de posições que acabaram por condicionar a governação.

Uma situação que se arrasta em Timor-Leste desde 2017, quando a Fretilin venceu as eleições por pouco mais de 1.000 votos e acabou desafiada por três partidos — o CNRT, de Xanana Gusmão, o PLP, de Taur Matan Ruak, e o Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) de José Naimori.

Nasceu assim a coligação da AMP, com forças que se criticaram mutuamente durante a campanha de 2017. A AMP acabou por travar o orçamento e o programa do governo liderado por Mari Alkatiri, o que levou à dissolução do parlamento e a eleições antecipadas.

A AMP apresentou-se como coligação pré-eleitoral — ainda que os partidos-membros se tenham depois dividido em bancadas no parlamento — venceu com maioria absoluta, mas enfrentou depois o Presidente timorense, que 19 meses depois continua sem dar posse a uma dezena de membros do Governo, a maioria do CNRT, o maior dos três partidos da AMP.

Esta posição do chefe de Estado timorense levou Xanana Gusmão a decidir não tomar posse, traduziu-se na subida a primeiro-ministro de Taur Matan Ruak, “número dois” da AMP, e criou um governo cheio de “interinos”, com a voz do CNRT a tornar-se minoritária.

Várias medidas implementadas desde aí extremaram as posições dentro da coligação com um crescente mal-estar do CNRT, com dirigentes a questionarem, em declarações à Lusa, a alegada falta de veemência de Taur Matan Ruak na defesa da tomada de posse dos seus membros junto do Presidente.

A situação cresceu de intensidade e a primeira proposta de OGE foi recebida com forte contestação de todas as bancadas do governo, o que levou Taur Matan Ruak a apresentar uma nova proposta orçamental, que acabou por ser “chumbada”.

Ouvidos pela Lusa, dirigentes do PLP e membros do governo admitiram surpresa pela abstenção ou voto contra a proposta de OGE pelos deputados do CNRT, o que agudizou a tensão no seio da AMP.

O CNRT é o maior partido da AMP, mas tem menos dois lugares no parlamento que a Fretilin, partido com maior representação parlamentar.

O cenário de um governo de grande inclusão obriga a resolver a dúvida sobre quem assumiria as funções de primeiro-ministro — se um dirigente do CNRT, da Fretilin ou uma alternativa exterior — e que papel teriam os restantes partidos da coligação que venceu as eleições.

Daí que dirigentes ouvidos pela Lusa tenham admitido que o cenário final acabe por passar por eleições antecipadas, um voto de consequências imprevistas, mas que poderá manter o regime duodecimal até à segunda metade do ano.

Publicidade