Um estudo levado a cabo pela empresa de software SERES, revela que, atualmente, 63,1% dos países nos cinco continentes já estão a utilizar a fatura eletrónica, seja por iniciativa própria das empresas ou por exigência legal.

A Europa e a América (principalmente os países da América Latina) lideram a utilização da fatura eletrónica no mundo, segundo revela o estudo da SERES. Nestas regiões, grande parte do sucesso da utilização da fatura eletrónica deve-se aos quadros legislativos desenvolvidos pelos vários governos e sectores de atividades com vista a acelerar a sua implementação através da utilização obrigatória.

A Ásia, com uma implementação de 64,4 %, segue de perto a Europa e a América. Já a África com 34,5 %, e a Oceânia com 21,4 %, ocupam os últimos lugares do ranking mundial da utilização da fatura eletrónica.

A Europa é o continente onde se regista o maior índice de obrigatoriedade, resultante da estratégia Digital definida pela União Europeia e no âmbito da qual foi estipulada a obrigatoriedade da utilização da fatura eletrónica em todas as transações com as Administrações Públicas nos países membros.

Nos outros continentes, a forma de utilização mais generalizada da fatura eletrónica é a utilização involuntária. Ou seja, os governos aceitam a fatura eletrónica como válida e são as empresas que, ao verem as suas vantagens, promovem a sua utilização.

A experiência, os ajustes e os erros que marcaram este percurso determinam hoje o seu futuro. A compatibilidade entre fornecedores, sistemas, formatos e legislações nacionais, decorrentes em grande parte de enquadramentos legais distintos, contribuíram para abrir o caminho à massificação da utilização da fatura eletrónica.

Paralelamente, muitos países iniciaram o processo através da criação de portais de faturação eletrónica na Internet, que, no entanto, não são nem ‘user-friendly ‘nem customer oriented.

Publicidade