Mais de 83 mil pessoas assistiram ao vivo o 65.º Grande Prémio de Macau, um evento que ficou marcado pela vitória hoje de Daniel Ticktum na prova de Fórmula 3 e pelo acidente aparatoso de Sophia Flörsch.

De acordo com números avançados pelas autoridades do território, mais de 83 mil marcaram presença ao longo dos quatros dias da corrida, disputada no icónico Circuito da Guia. No ano passado, o evento atraiu 78 mil espetadores.

Só no dia de hoje, estiveram 31 mil pessoas a assistir à segunda vitória do piloto britânico Daniel Ticktum, que venceu pela segunda vez consecutiva, com a melhor volta a ser registada com um tempo de 2.10,617 minutos.

Durante a corrida no percurso citadino de 6,12 quilómetros, considerado um dos mais perigosos do mundo, a alemã Sophia Flörsch, de apenas 17 anos, despistou-se e embateu no carro do japonês Sho Tsuboi, ultrapassando os ‘rails’ de proteção na abordagem à curva do Hotel Lisboa.

A corrida teve de ser interrompida “após o incidente, para os comissários de pista procederem à limpeza e reparação do circuito, trabalhos que foram efetuados em cerca de 40 minutos”, explicou a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau, em comunicado.

De acordo com informações do hospital público Conde São Januário, os dois pilotos, um comissário e dois fotojornalistas ficaram feridos e permaneceram hospitalizados em observação. Sophia Flörsch sofreu uma fratura na coluna, mas encontra-se estável.

Em comunicado, a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau informou que todos estavam conscientes durante o trajeto na ambulância e que o piloto japonês recebeu alta médica.

No sábado, durante a prova de motos do Grande Prémio de Macau, ganha pelo britânico Peter Hickma, aconteceu um despiste, envolvendo dois pilotos britânicos, Phil Crowe e Ben Wylie.

Segundo a organização, Ben Wylie “permanece internado, mas o seu estado de saúde é estável, estando a recuperar”.

“É uma pista muito diferente, aqui o risco é maior, temos de andar com o dobro do cuidado, mas a adrenalina compensa”, disse à Lusa André Pires, que ficou em 19.º lugar nesta prova.

Na quinta-feira, o espanhol Raul Torras sofreu também um aparatoso acidente nos treinos livres da corrida de motos, mas não sofreu fraturas. O estreante em Macau caiu na curva ‘Mandarim Oriental’, uma das zonas mais rápidas do circuito.

No ano passado, a competição ficou marcada pela morte do piloto britânico Daniel Hegarty (Honda), de 31 anos, na sequência de um acidente, ocorrido a meio da prova de motos, que não registava fatalidades desde 2012.

“Esta é uma prova reconhecida pela FIA, e em que todas as medidas de segurança seguem as orientações de segurança daquela entidade e da Subcomissão Desportiva”, disse o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura e presidente da Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau, Alexis Tam.

O Grande Prémio de Macau inclui três corridas de carros – as taças do mundo de Fórmula 3, GT e de carros de turismo (WTCR) -, bem como a 52.ª edição do Grande Prémio de motos, além da taça de carros de turismo de Macau e a taça da Grande Baía.

No próximo ano o evento volta ao território entre os dias 14 e 17 de novembro.

Publicidade