Niang, que sucede no cargo ao argentino Horácio Muratore, foi eleito por unanimidade pelos delegados das 156 federações nacionais presentes no evento – a FIBA tem 213 membros -, no quadro do princípio da rotatividade continental, que limita o mandato a um período de quatro anos.

Hamane Niang, que vai dirigir os destinos da organização no quadriénio 2019-2023, agradeceu a todas as federações nacionais pela confiança depositada. “É com humildade que aceito essa responsabilidade que me foi confiada. Prometo dedicar-me totalmente à FIBA durante o mandato, e servir os interesses da modalidade em todos os cantos do mundo”.

Eleito presidente da FIBA África no XVI Congresso da instituição, realizado de 31 de Julho a 1 de Agosto de 2014, em Antananarivo, Madagáscar, Hamane Niang, nascido a 6 de Junho de 1952, na cidade de Kayes, é o décimo terceiro presidente da FIBA e o terceiro africano a ocupar o cadeirão, depois do senegalês Abdoulaye Seye Moreau (1998-2002) e o egípcio Abdel Moneim Wahby (1968-1976).

O congresso de Pequim elegeu também o novo Conselho Central, com destaque para a reeleição do alemão Ingo Weiss para tesoureiro, e sobressai a eleição dos africanos Celestine Adjanohoun (Benin) e Jean-Michel Ramaroson (Madagáscar). Michele O’Keefe (Canadá), Marcelo Murto (Paraguai), Usie Ri-chards (Ilhas Virgens), Yuko Mitsuya (Japão), Erick Thohir (Indonésia), Carmen Tocala (Roménia), Jean-Pierre Siutat (França), Antti Zitting (Finlândia), Asterios Zois (Grécia), Karo Lelai (Papua-Nova Guiné) e David Reid (Austrália), fazem igualmente parte do recém-eleito Conselho Central.

Publicidade