O artista venceu a referida categoria, uma das três categorias internacionais do Play, com o tema “Nada Mudou”, na cerimónia que decorreu no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. A canção fala de um amor intemporal, que resiste aos tempos e contratempos que a vida oferece. Ela integra o último álbum “Augusta”, com o qual o artista tem estado em digressão pelo continente europeu, fruto da parceria com a multinacional Sony Music em Portugal.

Matias Damásio recebeu o prémio visivelmente emocionado e dedicou-o ao Povo moçambicano que resiste aos efeitos do ciclone “Idai”, que afectou mais de 80 por cento da cidade da Beira. “Dedico este prémio aos meus queridos amigos de Moçambique, que estão a passar por momentos difíceis”, disse o cantor que foi à gala acompanhado da esposa, produtor, representante e agente, a quem agradeceu pela oportunidade de mostrar o seu talento para além de Angola.

Damásio entra para a história do prémio Play, por ser o detentor do primeiro troféu que distingue o artista mais votado da comunidade lusófona, excepto aos de nacionalidade portuguesa. Matias Damásio obteve o feito batendo na concorrência C4 Pedro, com o tema “Se eu soubesse”, a brasileira Ludmila, com o potente som de “funk” brasileiro “Din din din”, e o cabo-verdiano Nelson Freitas, com “Nubian queen”, a quem se considerou admirador. “Gostava também de cumprimentar todos os artistas que comigo concorreram nessa categoria, dos quais sou fã. O Prémio Carreira é um dos três troféus internacionais do concurso, além de Melhor Artista, e Melhor Canção.

Publicidade