Metade dos cem estrangeiros fiscalizados numa megaoperação policial em todo o território cabo-verdiano, que envolveu mais de 300 agentes, foram detetados em situação irregular, segundo um relatório divulgado esta quarta-feira pela Polícia Nacional.

A megaoperação, envolvendo as várias forças da Polícia Nacional, foi desenvolvida durante a manhã de 21 de novembro, com o objetivo de “transmitir uma maior tranquilidade e segurança pública aos cidadãos e seus bens”, lê-se no mesmo relatório.

A polícia mobilizou para esta operação 322 elementos e 234 viaturas, tendo detido 28 cidadãos cabo-verdianos e apreendido vário material, nomeadamente droga. Em apenas uma manhã foram fiscalizadas 910 viaturas e apreendidas mais de 30.

Já os agentes da Direção de Estrangeiros e Fronteiras, da Polícia Nacional, fiscalizaram 102 cidadãos estrangeiros, dos quais 51 estavam em situação irregular em Cabo Verde. Destes, 15 foram mesmo detidos pelos agentes policiais.

A Guarda Fiscal realizou 251 fiscalizações, em estabelecimentos e viaturas comerciais, enquanto a Polícia Marítima detetou mais de duas dezenas de tripulantes ou pescadores em situação irregular ao fiscalizar, no mesmo período, 35 embarcações.

Cabo Verde, nomeadamente a ilha de Santiago, vive um período conturbado de insegurança, com vários crimes violentos, como homicídios e roubos com recurso a armas de fogo. Já este mês, após uma reunião com responsáveis pela segurança interna do país, o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, anunciou 14 medidas para combater a criminalidade urbana, entre elas a revisão da lei das armas e o agravamento de penas em caso de reincidência criminal.

Na terça-feira, o diretor nacional da Polícia Nacional de Cabo Verde afirmou que aquela força policial, em conjunto com os restantes parceiros e autoridades, está a “implementar as medidas” definidas, para “devolver a tranquilidade aos cidadãos”. “A população deverá continuar a confiar na Polícia Nacional porque é o que sabemos fazer: Garantir a segurança dos cidadãos”, disse o superintedente-geral Emanuel Moreno.

Publicidade