“Visitei a minha cidade, no princípio deste ano, de uma maneira que reencontrei os lugares de infância e tive tempo, que é uma coisa que deixamos de ter num certo período da vida. Não só revisitei, fui de maneira a ser ocupado por esse espaço, por essas vozes e isso foi muito importante para mim, percebi que estava tudo vivo, esse passado não tinha passado”, justificou Mia Couto.

Na calha está o novo livro do escritor moçambicano que tem como foco a sua infância e, neste sentido, admitiu que quando visitou a Beira, uma vez que vive em Maputo, ia com vontade de se “deixar ser assaltado por esse sentimento” de reviver o passado e o tempo da sua juventude.

Publicidade