Jaime Neto falava na tomada de posse do novo inspetor-geral da Defesa Nacional, Víctor Muirequetule, e do inspetor-geral adjunto, João Cuinhane.

“Não há piedade e nem haverá piedade para omissões voluntárias de ilícitos nos trabalhos inspetivos. Por isso, convido todo o corpo de inspetores do setor de defesa a observar somente e somente a lei”, sublinhou Jaime Neto.

Os inspetores, continuou, não devem primar pelo trabalho político na sua atuação, mas pela imposição da lei.

“O cumprimento da legalidade administrativa e financeira não se negoceia. Um inspetor não faz política, não tem clemência e nem deve confundir-se com os demais funcionários”, disse Jaime Neto.

Os inspetores do Ministério da Defesa Nacional devem ser capazes de detetar atos ilícitos na gestão dos recursos da instituição, promovendo a sua correção e responsabilização, acrescentou.

Num contexto de dificuldades financeiras, prosseguiu, os serviços de inspeção devem insistir na contenção da despesa pública e combater o nepotismo, favoritismo e clientelismo.

Publicidade