Reunidos no seu primeiro Conselho de Ministros da Cultura da CEEAC, os governantes da região central da África apontam que tal pressuposto contribui para o desenvolvimento de um mercado cultural comum. Angola, que assume a vice-presidência do “Bureau”, recebe, em 2019, a Feira Itinerante para as Indústrias Culturais e Criativas. Angola esteve representada no evento, que decorreu na sexta-feira e sábado, por uma delegação chefiada pela ministra Carolina Cerqueira.

A delegação angolana ao evento foi integrada pelo director do Instituto das Línguas Nacionais, José Pedro, a directora do Intercâmbio, Suzana de Sousa, e o adido cultural na República do  Congo, Ndo Ngadi Ngolo Mpovi.

A agenda de trabalhos de sábado incluiu a avaliação da Estratégia Sub-regional para o Desenvolvimento e a Promoção da Cultura na África Central. A reunião definiu ainda o plano de acção para os anos de 2019 e 2020, com base nos seis eixos principais da estratégia sub-regional.

O primeiro Conselho de Ministros da Cultura da CEEAC pretende também envolver os Estados membros em actividades regionais de forma a promover uma verdadeira rede para o desenvolvimento e a promoção da cultura na região.

Durante a reunião, foi sublinhada  a importância de valorizar e salvaguardar o  património cultural e histórico da região, que conta apenas com um sítio como Património Mundial, a Cidade de Mbanza Kongo, em Angola, declarada Património da Humanidade pela Unesco no dia 8 de Julho de 2017, na cidade de Cracóvia, na Polónia.

O encontro, que decorreu sob o lema “O desenvolvimento e promoção da cultura na África Central”, teve como foco as políticas culturais da região e a promoção das indústrias culturais e criativas, com vista à integração social, a promoção da economia da cultura e a criação de estruturas regionais de promoção do sector cultural.

Publicidade