Moçambique e parceiros assinam hoje acordos de financiamento de cerca de 530 milhões de dólares, para construir uma linha de alta tensão entre Temane e Maputo, anunciou o Ministério dos Recursos Minerais e Energia.

A linha de 563 quilómetros é considerada uma obra estrutural, partindo da Central Térmica de Temane, em Inhambane, sul do país, para incluir três subestações em três províncias (Inhambane, Gaza e Maputo) até chegar à capital do país.

Prevê-se que a obra arranque no próximo ano e esteja pronta em 2023.

A central, capaz de produzir 400 megawatts de eletricidade, vai apoiar o desenvolvimento socioeconómico na província de Inhambane e de toda a região sul do país, anunciam os promotores.

A energia é produzida com o gás natural explorado pela Sasol nos depósitos subterrâneos da região.

A produção de energia termoelétrica é assim apresentada como “uma solução de abastecimento fiável e de baixo custo para o país, contribuindo para o desenvolvimento económico e a industrialização, incluindo a infraestruturação do sector através do gás produzido, localmente”, refere o Governo.

O projeto é financiado com uma doação de 30 milhões de dólares da Noruega, para capital social do empreendimento, e a dívida a contrair junto do Banco Mundial (comparticipação de 52,7%), Banco Islâmico de Desenvolvimento (20,3%), Banco Africano de Desenvolvimento (5,3%), Fundo da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para o Desenvolvimento Internacional (6,6%) e Banco de Desenvolvimento da África Austral (9,4%).

Estima-se que apenas 28% das pessoas tenham acesso à rede elétrica, em Moçambique, país com cerca de 28 milhões de habitantes.

Publicidade