Sérgio Chichava, pesquisador do Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE), assumiu a tese do objetivo de imposição da lei islâmica na análise intitulada “Quem é o inimigo que ataca Cabo Delgado?”, divulgada hoje em Maputo.

“Evidências no terreno mostram claramente que o país está perante a presença de um grupo radical islâmico que pretende impor a ‘sharia’”, referiu o investigador moçambicano, nas conclusões do seu estudo sobre a violência em Cabo Delgado.

Os ataques às vilas de Mocímboa da Praia e Quissanga, no final de março, não deixam dúvidas de que os grupos armados são movidos pelo fundamentalismo islâmico, sublinhou.

Num vídeo gravado em frente à sede da administração da vila de Quissanga, um suposto líder dos atacantes citou o alcorão e proferiu palavras de veneração a Alá.

Na semana passada, uma igreja católica foi vandalizada durante um ataque no distrito de Muidumbe, em Cabo Delgado, numa ação atribuída aos grupos armados que atuam na região.

Além disso, as ações armadas em Cabo Delgado têm sido reivindicadas pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI) em comunicados que divulga na Internet.

O investigador do IESE notou que, no início, uma das marcas registadas dos grupos que atuam em Cabo Delgado eram as decapitações, à semelhança de outros grupos terroristas, como o Boko Haram, que aterroriza alguns países da África Ocidental, e o EI.

A prática de degolar as vítimas em Cabo Delgado parece ter abrandado, numa aparente mudança de tática para mobilizar apoio popular.

Sérgio Chichava assinalou, contudo, que o mistério em torno da identidade dos autores da violência persiste, cerca de dois anos e meio após a eclosão das ações armadas, defendendo que mais pesquisa terá de ser feita para apurar a matriz do conflito.

Os ataques armados em Cabo Delgado já provocaram a morte de pelo menos 350 pessoas desde 2017 e várias organizações internacionais classificam a violência na região como uma ameaça terrorista.

Publicidade