Eleitores encontraram os seus nomes riscados nos cadernos eleitorais, como indicação de que já votaram, quando ainda não o tinham feito, diz um comunicado da “Votar Moçambique”, uma missão de observação eleitoral, lido pelo bispo da Igreja Anglicana de Moçambique, Carlos Matsinhe.

Essas situações ocorreram em assembleias de voto dos municípios de Nampula e Nacala, norte do país, Quelimane, centro, e cidade de Maputo, sul.

“Na autarquia da Beira[centro de Moçambique], no bairro da Munhava, na mesa 07031-07, localizada na EPC Amílcar Cabral, eleitores foram privados de votar porque uma urna tinha desaparecido”, lê-se no comunicado.

Na autarquia de Milange, centro de Moçambique, delegados suplentes de lista de candidatura da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) foram levados de uma assembleia de voto pela polícia.

Em Quelimane, registaram-se cenas de violência causadas pela fúria da população com a lentidão do processo de votação.

A “Votar Moçambique” refere ainda casos de intimidação de jornalistas em alguns municípios, assinalando, em concreto, o caso em que o presidente da mesa de voto no município de Angoche confiscou o telefone de um jornalista.

Questionado sobre as anomalias apontadas pela missão de observação “Votar Moçambique”, Carlos Matsinhe considerou tratar-se de situações causadas por “razões técnicas e ignorância da lei”, afastando a hipótese de fraude organizada e generalizada.

A “Sala da Paz”, uma rede de organizações da sociedade civil que destacou uma missão de observação eleitoral apontou a ocorrência de situações de falta de nomes de eleitores nos registos eleitorais, observadores impedidos de exercer o seu trabalho, mas considera que, no geral, as primeiras horas da votação decorreram normalmente.

Hoje, 3.910.712 eleitores escolhem presidentes dos 53 municípios moçambicanos e respectivos membros de assembleias.

O STAE montou 5.459 assembleias municipais e recrutou 38.213 membros das mesas de voto.

Estão credenciados cinco mil observadores nacionais e 250 estrangeiros e mil jornalistas nacionais e estrangeiros.

Publicidade