“Trata-se de projetos que concorrem para a diversificação da base económica e vão ser apresentados durante a CASP”, disse Eduardo Sengo, diretor executivo da Confederação da Associações Económicas de Moçambique – CTA.

Eduardo Sengo falava momentos após uma reunião com responsável em Moçambique do Banco Africano de Desenvolvimento, parceiro na organização e que vai apoiar a CTA na busca de investidores.

Os projetos, escolhidos através do Gabinete de Apoio Empresarial da CTA, são de áreas como Turismo, Energia, Agricultura, Logísticas e Infraestruturas.

“A grande parte dos projetos não dizem respeito ao setor do gás e petróleo porque o objetivo é mesmo ajudar na diversificação da economia”, declarou Eduardo Sengo.

A conferência que vai decidir sobre o futuro dos 25 projetos está agendada para os dias 5, 6 e 7 de maio na capital moçambicana, juntando diversos investidores oriundos de várias partes do mundo.

O encontro vai decorrer sob o lema “Criando um ambiente de negócios para a diversificação económica” e vai juntar cerca de 2.000 participantes.

Publicidade