“A taxa de crescimento de Moçambique, a inflação e o défice orçamental para 2019 podem ficar abaixo das estimativas iniciais da IHS Markit tendo em conta o impacto dos ciclones”, disse Thea Fourie.

Em declarações à Lusa no seguimento da revisão da projeção do crescimento da economia mundial para 2,6% este ano e 2,5% em 2020, a analista que segue a economia de Moçambique disse que depois do abrandamento para 2%, este ano, “o início dos esforços de reconstrução pode deixar a atividade económica mais forte durante o segundo semestre deste ano e depois em 2020 e 2021”.

O défice orçamental este ano deverá avançar para os 4,5% devido às necessidades de 3,2 mil milhões de dólares (2,9 mil milhões de euros) para a reconstrução das zonas afetadas pelos ciclones, dos quais foram recebidos 1,2 mil milhões de dólares, cerca de mil milhões de euros.

“A IHS mantém a previsão de um corte de mais 0,75 pontos na taxa de juro do banco central durante este ano “no contexto de uma inflação mais baixa”, concluiu a analista

Publicidade