“Este incidente aconteceu de madrugada e apanhou-nos a todos de surpresa porque aquela sede era considerada a mais segura da região”, declarou Sande Carmona.

O incêndio destruiu todo o material de campanha da terceira força política parlamentar moçambicana naquele município, segundo o porta-voz do partido.

“As instalações ficaram parcialmente destruídas, comprometendo, de certo modo, aquilo que são os nossos planos de campanha para aquela autarquia”, acrescentou Sande Carmona.

O porta-voz do MDM disse ainda que a cabeça-de-lista do partido para aquela autarquia recebeu ameaças nos dias anteriores.

“Nossa cabeça de lista recebeu ameaças de membros da Frelimo [partido no poder em Moçambique]”, afirmou porta-voz do MDM.

A Lusa entrou em contacto com o porta-voz da PRM na província de Gaza, Carlos Macuacua, que disse que já decorrem investigações.

Sobre as ameaças à cabeça-de-lista do MDM, o porta-voz da polícia disse que a corporação não recebeu nenhuma queixa, mas promete averiguar.

“A ameaça é um delito. Eles deviam ter comunicado à polícia para que houvesse uma investigação”, declarou Carlos Macuacua.

No dia 1 de outubro, de acordo com o Boletim Autárquico da organização Centro de Integridade Pública, desconhecidos vandalizaram a sede local da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) também em Bilene.

As eleições autárquicas em Moçambique estão agendadas para 10 de outubro nos 53 municípios que cobrem parte do território moçambicano.

Publicidade