Moçambique/Eleições: Nyusi quer usar receitas do gás para diversificar economia

0

Terminou hoje o périplo pela província de Cabo Delgado do candidato da Frelimo, Filipe Nyusi que durante três dias escalou sete distritos. Em Mocímboa da Praia o candidato da Frelimo falou do gás natural e da distribuição da riqueza que resultará da exploração daquele importante recurso no vizinho distrito de Palma, naquela província.

Filipe Nyusi começou por dizer que o gás é de todos os moçambicanos e que o dinheiro resultante da sua exploração tem de servir todo o país, tal como serve o país inteiro a captura do camarão, o carvão mineral de Tete, a energia elétrica de Cahora Bassa, os sistemas ferro-portuários do centro, sul e norte do país.

A seguir disse que o seu Governo pretende usar o dinheiro que será gerado pela exploração daquele hidrocarboneto para diversificar a economia através do financiamento à transformação da agricultura facilitando o acesso a maquinaria agrária por parte dos agricultores, provimento de insumos agrícolas, formação de técnicos, construção de regadios, barragens e represas, mas também de industrialização do país em vários domínios incluindo o agro-processamento.

A construção de estradas, pontes e outras infraestruturas essenciais para a dinamização da economia é outra aposta. O candidato da Frelimo diz que a Frelimo aprendeu dos vários países do mundo que fizeram depender as suas economias em hidrocarbonetos e nos dias que acabam ou os preços baixam entram em crise, pelo que a diversificação da economia deverá ser o ponto forte do seu executivo.

O candidato da Frelimo defende ainda que o dinheiro não deverá ser usado todo ele para os projetos acima descritos, pelo que o seu Governo defende a criação do Fundo Soberano para poupar e reinvestir em áreas rentáveis que poderão multiplicar o dinheiro que deverá servir as futuras gerações. Nyusi disse que nesta altura está a ser debatido como irá funcionar esse fundo, porque o dinheiro deve estar protegido para que não seja usado para fins ilícitos e que beneficiam apenas algumas pessoas tal como se viu em alguns países, entretanto não citou nenhum. Mas também deverá se evitar que se use o Fundo Soberano para financiar projetos duvidosos que não irão trazer quaisquer benefícios ao país.

A outra dimensão apontada pelo candidato da Frelimo é a promoção do conteúdo local. Nyusi diz que o seu Governo negociou com as multinacionais que exploram o gás natural para contratarem empresas moçambicanas no fornecimento de bens e serviços aos seus projetos.

Actualmente a Anadarko disponibilizou três mil milhões de dólares e o consórcio liderado pela ENI e Exxon Mobile também deverão disponibilizar o mesmo valor para o seu projeto. Nyusi acredita que assim as empresas nacionais poderão ganhar mais robustez e poderão ter capacidade para empregar mais pessoas.

Na ocasião esclareceu que até ao momento tudo isso são previsões uma vez que ainda não está a jorrar gás natural na bacia de Rovuma e que é preciso que os moçambicanos tenham paciência.

Filipe Nyusi falou ainda da situação dos ataques de insurgentes naquela região, condenou os ataques e garantiu que as Forças de Defesa e Segurança estão no terreno a perseguir os malfeitores de modo a neutraliza-los e proteger as comunidades.

Ainda hoje o candidato da Frelimo trabalhou nos distritos de Muidumbe e Mueda. Em Muidumbe falou das obras do seu Governo que permitiram construir hospitais, edifícios onde funcionam o Governo distrital, pequenos sistemas de abastecimento de água, extensão de energia elétrica. Em Mueda milhares de pessoas receberam o filho da casa que igualmente falou dos esforços em curso para reabilitar o Sistema de abastecimento de água, expansão dos serviços de saúde com construção de centros de saúde e as obras da Estrada Mueda-Negomano. Esta Quarta-feira Filipe Nyusi tira um dia de descanso.

Publicidade