O presidente da empresa estatal Moçambique Telecom (Tmcel), Rafique Jusob, anunciou esta terça-feira, durante a tomada de posse, que quer ter a “maior e melhor empresa” do setor, no país, no prazo de quatro anos.

“Reiteramos o compromisso de transformar, nos próximos quatro anos, a Tmcel na maior e melhor empresa de telecomunicações, de cumprir os desígnios da agenda nacional de desenvolvimento e de salvaguardar os interesses do país, da empresa e dos trabalhadores”, referiu.

Rafique Jusob tinha sido nomeado em junho de 2017 pelo Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE) para dirigir a fusão das operadoras de telecomunicações estatais Moçambique Celular (Mcel) e Telecomunicações de Moçambique (TDM) – sendo esta terça-feira confirmado à frente da empresa resultante da operação.

Na cerimónia desta terça-feira, o administrador defendeu uma nova mentalidade com vista à modernização da empresa, bem como à criação e oferta de serviços com recurso a tecnologia de ponta.

Acompanham-no no conselho de administração, Mário Albino e Binda Jocker para dirigir a área de Administração e Finanças e a área Operacional, respetivamente, depois de também terem liderado o processo de fusão.

Os três membros, com funções executivas, têm um mandato de quatro anos.

“Durante o processo de fusão, elaborámos o plano de negócios que, com os devidos ajustamentos, vai culminar com a assinatura do contrato de gestão”, acrescentou no evento, Ana Coanai, presidente do IGEPE.

A fusão da Mcel e TDM, anunciada em 2016, enquadra-se na reestruturação do setor público empresarial.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) tem apontado a necessidade de o Estado moçambicano rever a sua carteira de participações, no âmbito das medidas de controlo do défice público.

Publicidade