O Procuradoria Geral da República de Moçambique (PGR) na província de Gaza, sul do país, abriu um processo autónomo para o suspeito em fuga no caso de homicídio, em outubro, de Anastácio Matavel, ativista e observador eleitoral, disse à Lusa fonte da entidade.

O processo autónomo visa a responsabilização de um dos suspeitos que se encontra foragido desde o dia do homicídio, a 07 de outubro, explicou fonte PGR, acrescentando que, à luz do mandato de captura já emitido, decorrem investigações para sua localização.

Em novembro, o Ministério Público moçambicano deduziu uma acusação provisória para oito arguidos de um total de nove pessoas suspeitas pelo homicídio, quatro dos quais estão detidas e os restantes respondem em liberdade.

Anastácio Matavel foi morto a tiro por um grupo de quatro polícias de uma unidade de elite e um civil, quando saía de uma ação de formação de observadores eleitorais, na cidade de Xai-Xai, capital da província de Gaza, sul de Moçambique, segundo as autoridades moçambicanas.

Dois dos agentes da polícia envolvidos no crime morreram, quando a viatura em que seguiam capotou pouco depois de alvejarem o ativista na cidade de Xai-Xai, capital da província de Gaza.

A morte de Anastácio Matavel provocou repúdio e condenação em Moçambique e fora do país, por se tratar de um ativista da sociedade civil envolvido na observação eleitoral e que morreu numa província conhecida pela intolerância política contra opositores da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder.

Publicidade