De acordo com o museu, a exposição “Purity, Purification – Arte Contemporânea Chinesa” é uma coprodução do Museu do Oriente e da CICA – China International Culture Association, e apresenta a mais recente produção de arte chinesa.

A mostra reúne 29 obras de pintura, fotografia, instalação, vídeo e escultura, em representação do que a organização quer dar a conhecer da diversidade e vitalidade da arte chinesa contemporânea, com a mais recente geração de jovens artistas.

“A mostra é, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre a atual ascensão da cultura oriental chinesa, sobre a representação de novas lógicas culturais no panorama artístico internacional, o valor comercial atingido pela arte contemporânea chinesa e os rumos que esta está a tomar, traduzindo a exploração e pesquisa detalhadas dos artistas sobre estes temas”, descreve um comunicado do Museu do Oriente.

O título junta a palavra “Purity” [pureza], que representa a imagética etérea e depurada da arte oriental, e “Purification” (purificação), um conceito que define o modo de expor adoptado pelos artistas, as soluções expressivas que encontraram para sondar e depurar relações entre materiais, espaços, escalas e a sua intuição.

A mostra, com curadoria de Bruno Leitão e Liu Chunfeng, será ainda motivo de uma conversa com artistas e curadores, portugueses e chineses, no dia 24 de novembro, pelas 16:00, de entrada gratuita, contará com a participação dos curadores Bruno Leitão e Liu Chunfeng, dos artistas Ana Pérez-Quiroga, Tiago Baptista, Wang Lijun e Tang Yuhan, além de Luo Ying, editor-chefe da Hi Art.

A exposição estará patente até 14 de janeiro de 2019.

Publicidade