Trata-se de um simpósio organizado pelo Governo de Cabo Verde, em parceria com a Associação Profissional das Instituições de Microfinanças, e que tem como objetivo “refletir e trocar experiências sobre o papel das microfinanças ou de sistemas financeiros alternativos na luta contra a pobreza, promoção do emprego digno, igualdade de oportunidades e na ascensão social”.

A “estabilização do sistema financeiro internacional: Os casos da Ásia e da África Subsariana” é outro dos assuntos que estarão em debate.

Segundo uma nota do executivo cabo-verdiano, o Cabo Verde Next é uma iniciativa que reúne mentes criativas e inovadoras, estudantes, académicos, homens de negócios, empreendedores e políticos que produzem impactos na arte, na ciência e na tecnologia, assim como em outras áreas de capital interesse”.

“É uma marca que aponta a direção que o país deve seguir para a inovação, mostrando aquilo que os cabo-verdianos fazem de inovador, seja no território nacional, seja na diáspora e em outras paragens”, prossegue o comunicado.

Antigo professor de Economia, Muhammad Yunus recebeu o Nobel da Paz em 2006 pelos esforços para retirar populações da pobreza extrema, concedendo-lhes pequenos empréstimos.

Em 1976, ao perceber que os bancos recusavam emprestar aos mais pobres, que não ofereciam garantias, Yunus criou o Banco Grameen, no Bangladesh, que empresta pequenas quantias sem exigir garantias, papéis ou identificação.

Publicidade