Mi Jian, especialista em direito, é a partir de hoje o responsável máximo por este organismo, que resulta da fusão entre o Gabinete de Estudo das Políticas do Governo da Região Administrativa Especial de Macau e o Grupo de Trabalho de Assuntos do Interior da China.

Anunciada pelo Conselho Executivo em agosto, esta nova direção é responsável pelo estudo, acompanhamento e apoio técnico relacionados com as políticas públicas e o desenvolvimento regional.

À data, as autoridades atribuíram a sua criação à urgência de “aproveitar eficazmente” as oportunidades trazidas pela iniciativa chinesa ‘Uma Faixa, Uma Rota’ e pelo desenvolvimento da região da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

A nova direção tem também o objetivo de dar impulso à “construção de ‘Um Centro, Uma Plataforma’, no sentido de Macau se integrar ativamente no desenvolvimento nacional”, acrescentaram.

Na cerimónia presidida pelo chefe do executivo, tomaram ainda posse os dois subdiretores: Ung Hoi Ian e Lin Yuan.

Antes do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM), em 1999, Mi Jian exerceu funções de especialista em Direito no Gabinete para a Tradução Jurídica, segundo o gabinete do porta-voz do Governo.

A partir desse ano, foi membro do Conselho Consultivo para a Reforma da Administração Pública e chefe do Gabinete de Estudo das Políticas do Governo da RAEM.

Desde 2017, tem vindo a participar, como membro, na Comissão Coordenadora da Gestão e do Desenvolvimento das Áreas de Jurisdição Marítima.

Anunciada pelo Presidente chinês, Xi Jinping, a iniciativa “Faixa económica da rota da seda e a Rota da seda marítima do século XXI”, mais conhecida como “uma Faixa, uma Rota”, está avaliada em 900 mil milhões de dólares (775 mil milhões de euros) e visa reativar as antigas vias comerciais entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e Sudeste Asiático.

Já a região da Grande Baía, além de Guangdong, Hong Kong e Macau, abrange nove localidades na China: Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing. Conta com mais de 110 milhões de habitantes.

Publicidade