O vice-presidente da Anadarko, Steve Wilson, citado em comunicado, disse que o programa vai permitir que as PME moçambicanas sigam padrões internacionais e tenham competitividade para o acesso às oportunidades oferecidas pelo projeto Mozambique LNG (gás natural liquefeito, na sigla inglesa) e pela indústria de petróleo e gás, no geral.

“Este é um marco importante nos nossos esforços visando o empoderamento das empresas locais no país e, evidentemente, isto só foi possível graças ao apoio contínuo do Governo moçambicano em todo este processo”, afirma a nota.

O contrato para o apoio à formação de empresas locais e ao desenvolvimento de sistemas e procedimentos necessários para certificação foi adjudicado à Energy Works, uma empresa moçambicana dedicada à implementação de padrões de gestão internacionais.

Na mesma nota, o diretor-geral do Instituto para a Promoção de Pequenas e Médias Empresas (IPEME), uma entidade governamental moçambicana, Claire Zimba, adianta que o programa vai fortalecer a estrutura competitiva das PME nacionais para o acesso ao mercado.

“Estão lançadas as bases para o arranque e implementação sustentável da verdadeira qualificação empresarial, onde a profissionalização na gestão e modernização produtiva tem no processo da certificação um ativo relevante para a contínua melhoria da competitividade das PME moçambicanas”, refere Claire Zimba, de acordo com a nota.

Numa primeira fase, serão capacitadas 40 empresas sendo 20 em Maputo e outras 20 em Pemba, capital da província de Cabo Delgado, onde estão as principais concessões de gás natural de Moçambique.

A capacitação terá duração entre seis e nove meses, para um padrão essencial para a certificação internacional ISO 9001 (gestão de qualidade).

A Anadarko espera que até 2020 seja implementado o programa completo de certificação.

Em junho passado, a Anadarko Moçambique Área 1, Lda. e os seus parceiros da Área 1 anunciaram a decisão final de investimento do projeto Mozambique LNG.

O projeto Mozambique LNG espera investir cerca de 2,5 mil milhões de dólares (2,27 mil milhões de euros) com empresas de propriedade moçambicana ou registadas em Moçambique ao longo dos cerca de cinco anos do período de construção das instalações de GNL (gás natural liquefeito), na bacia de Rovuma, província de Cabo Delgado.

Mozambique LNG faz parte de um investimento no valor de 23 mil milhões de dólares (20,6 mil milhões de euros) anunciado em junho pelo consócio da Anadarko para a Área 1.

Publicidade