Em entrevista à Lusa, António Spencer Embaló, 41 anos, sociólogo formado em Portugal, disse que vê a Cultura guineense “para além do folclore, do ato lúdico”, como “vetor de transformação social”, fator de emprego e de criação de riqueza, sobretudo dos jovens, observou.

Embaló tem cinco pilares sobre os quais irá assentar a sua ação: Revalorizar os símbolos nacionais (hino e bandeira nacional), recentrar a marca Amílcar Cabral (“pai” da independência e que considerou ser o maior ícone nacional) na mente do guineense, recolocar as línguas da Guiné-Bissau no lugar em que devem estar, identificar o património material e imaterial da cultura e internacionalizar o Carnaval.

Publicidade