“Proteger o nosso meio ambiente é fundamental para o gozo de todos os direitos humanos”, disse Michelle Bachelet, no Conselho de Direitos Humanos.

Bachelet lamentou os “reveses significativos nas políticas de proteção ambiental e dos direitos dos povos indígenas” no Brasil no Governo do Presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

O presidente da extrema-direita, cético em relação às mudanças climáticas, foi criticado por diminuir as restrições à exploração das vastas riquezas da Amazónia. Em 2019, o primeiro ano do mandato de Bolsonaro, a desflorestação da Amazónia aumentou 29,5% em comparação com 2018.

A alta-comissária referiu também que “os Estados Unidos estão a recuar na proteção ambiental, inclusive para cursos de água e pântanos”.

“Poluentes não tratados agora podem ser lançados diretamente em milhões de quilómetros de rios, colocando em risco ecossistemas, água potável e a saúde humana”, afirmou.

A administração do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, revogou no ano passado os regulamentos de proteção dos rios que datam do seu antecessor, Barack Obama (2009-2017), uma medida condenada por ambientalistas, mas aplaudida pelos agricultores e promotores imobiliários.

A decisão faz parte de uma série de desregulamentações ambientais colocadas em curso desde a chegada de Donald Trump à Casa Branca em 2017, em particular em fábricas a carvão, emissões de carros ou lâmpadas.

Bachelet disse que medidas para reduzir os padrões de emissão de combustíveis e reduzir a regulamentação das indústrias de petróleo e gás nos Estados Unidos “também podem prejudicar os direitos humanos”.

A alta-comissária saudou, no entanto, o projeto europeu de “Green Deal” (“Pacto Verde”), que visa a neutralidade do carbono até 2050, mas incentivou os europeus a adotar fortes medidas sociais para “garantir que apenas a transição não deixa ninguém para trás”.

Publicidade