A CTA – Confederação das Associações Económicas de Moçambique, maior entidade patronal do país, propõe a criação de uma linha de crédito alternativa virada às pequenas e médias empresas (PME) para fazer face às condições de mercado “pouco favoráveis”.

“A CTA comunga da necessidade de criação de uma instituição financeira de desenvolvimento com linhas de financiamento concessionais viradas essencialmente para as PME”, afirma um comunicado hoje divulgado.

A nota da CTA surge em reação ao discurso de tomada de posse do Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, investido na quarta-feira para o segundo mandato no cargo, numa altura em que a taxa de juro de referência no país é de 18%.

Publicidade