Depois de terem falhado dois dos três objectivos para este ano, à conquista da Taça de Angola e a Iª edição da AfroLiga, cuja etapa decisiva é jogada de 24 a 26 do corrente, em Luanda, os petrolíferos do Eixo Viário, às ordens de Lazare Adingono, vêem coroado o seu esforço. 

Aos tricolores devem juntar-se os vencedores dos campeonatos nacionais do Senegal, Egipto, Marrocos, Tunísia e Nigéria. Numa iniciativa da FIBA-África em parceira com a NBA, 
Numa iniciativa da FIBA-África em parceira com a NBA, a prova, formatada apenas para 12 equipas, não permite, segundo os regulamentos mais de duas por país. O 1º de Agosto, finalista vencido nos playoffs da final do nacional maior da bola ao cesto terá, ainda que conquiste a Taça, de disputar eliminatórias qualificativas à fase final.

O novo modelo de disputa foi assinado em Fevereiro, e os signatários do acordo de criação foram o secretário-geral da FIBA, Andreas Zagklis, e o comissário da NBA, Adam Silver. 

O acto foi testemunhado pelo presidente e pelo secretário-geral da FIBA África, Hamane Niang e Alphonse Bilé. Michael Jordan, presidente dos Charlotte Hornets, Michele Roberts, director executivo da Associação Nacional de Jogadores de Basquetebol (NBPA), Mark Tatum, o vice-comissário da NBA, e Amadou Gallo Fall, vice-presidente da NBA e director administrativo para a África, testemunharam o acto.

Publicidade