“Nós gostaríamos que essa pessoa que citou [Cipriano Cassamá] ponha à disposição das autoridades nacionais e estrangeiros os dados de que dispõe para que se possa colaborar na resolução do problema”, afirmou Aristides Gomes, em declarações aos jornalistas no aeroporto de Bissau, à chegada de uma visita de dois dias à Guiné-Conacri.

Ao discursar numa sessão parlamentar na passada quarta-feira, Cipriano Cassamá, que não citou nomes, disse que o tráfico de droga voltou ao país e pediu que se parasse com o que considera de anarquia na Guiné-Bissau.

Cassamá questionou a “quantidade de aviões que chegam ao país”, assinalando que se trata de venda de droga.

Confrontado com aquelas declarações, o primeiro-ministro guineense admitiu que “há dificuldades nessa matéria”, mas pediu a quem tiver provas que colabore com as autoridades.

“Que eu saiba fui a primeira autoridade da Guiné-Bissau a denunciar, a fazer uma análise e apresentar propostas concretas sobre essa matéria”, assinalou Aristides Gomes, sem nunca referir a palavra droga.

Publicidade