Em declarações à agência Lusa, à margem de uma reunião com o Conselho de Fundadores da Casa da Música, Graça Fonseca, que ocupa o cargo há cerca de dez dias, destacou o “exemplo” daquela estrutura, resultante da Capital Europeia da Cultura Porto 2001, também na forma de “reunir parceiros públicos e privados” na promoção da Arte.

“A Arte tem um impacto social importante e um impacto económico importante. A Cultura é importante porque nos dá bem-estar, nos faz seres humanos melhores, nos dá uma sociedade mais coesa, mais aberta, mais cosmopolita. Mas também é importante como algo com um impacto muito importante no domínio da sociedade e no domínio económico”, afirmou Graça Fonseca naquela que foi a segunda visita ao Porto em dez dias, como fez questão de realçar.

“Um dos objetivos que temos é sair de Lisboa e vir para outros locais, descentralizar, conhecer outros projetos”, justificou a governante.

Sobre o trabalho desenvolvido na Casa da Música, Graça Fonseca enalteceu o “ótimo exemplo” da instituição, apontando “a forma como tem uma oferta musical diversificada, a forma como consegue reunir parceiros de diferentes naturezas, quer ao nível público, quer ao nível privado, e isso é muito importante”.

Para a ministra, o “mecenato cultural não é só a questão financeira, mas é também uma forma de se trazer novos públicos, alargando os parceiros com que se trabalha”.

Graça Fonseca fez ainda questão de realçar o trabalho do Serviço Educativo da Casa da Música: “O Serviço Educativo da Casa da Música tem aqui outra dimensão muito importante pela forma como utiliza, e bem, a música como um instrumento de promoção social com vários grupos, jovens, crianças, idosos ou populações com menor facilidade de interação social”, disse.

“Esta dimensão da música como algo com impacto social na comunidade é algo importante”, finalizou.

Publicidade