A Segurança Social terminou o ano de 2019 com um excedente de 2.808,4 milhões de euros, um aumento de 42% em termos homólogos, anunciou hoje o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Num comunicado sobre a Síntese de Execução Orçamental divulgada esta tarde pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), o ministério liderado por Ana Mendes Godinho diz que, “no final do ano passado, o saldo global do subsetor da Segurança Social atingiu os 2.808,4 milhões de euros (mais 42% em termos homólogos)”.

O desempenho resulta de um aumento da receita em 2.221,8 milhões de euros, superior ao da despesa, em 1.390,8 milhões de euros, “continuando a reforçar a sustentabilidade da Segurança Social”, destaca o Ministério.

A receita totalizou assim 29.497,4 milhões de euros no final de dezembro (mais 8,1%), enquanto a despesa atingiu os 26.689 milhões de euros (um aumento de 5,5%).

“A evolução da receita continuou a ser alavancada pelo aumento das contribuições e quotizações”, que aumentaram 8,6% para 18.366 milhões de euros no final de dezembro, acima do previsto pelo Governo, sublinha o gabinete de Ana Mendes Godinho.

Do lado da despesa, os encargos com pensões e complementos subiram 5,5% face ao período homólogo atingindo 23.685,9 milhões de euros.

Publicidade