O novo diretor-geral da Unitel, o português Miguel Geraldes, afirmou esta quarta-feira à agência Lusa que pretende promover uma “transição suave” na maior operadora de telecomunicações em Angola. A mesma empresa conta desde terça-feira com um novo conselho de administração.

“Tenho conhecimento do profissionalismo da equipa da Unitel e certamente encontraremos a melhor forma de termos uma transição suave mantendo o foco no que é importante: servir os angolanos”, explicou, numa declaração à agência Lusa, Miguel Geraldes. A sua nomeação para diretor-geral, sucedendo Antony Dolton que estavava no cargo desde 2013, foi divulgada, em comunicado, após a assembleia-geral da Unitel, que reconduziu a empresária Isabel dos Santos na administração da operadora.

“Da minha nomeação, fiquei muito honrado e com grande entusiasmo poder contribuir para a continuidade do desenvolvimento da Unitel. Quero agradecer aos acionistas que me nomearam, bem como os felicitar a Gestão cessante que tão bem desempenhou o seu trabalho”, acrescentou o novo diretor-geral da operadora, que conta com cerca de 10 milhões de clientes no país.

O português desenvolveu a carreira na Portugal Telecom, ao longo de dez anos, tendo liderado, também durante uma década, a MTC, principal operador móvel da Namíbia. Nos últimos dois anos trabalhou, através da empresa chinesa Huawei, o mercado de outros oito países da África subsariana.”E tudo isso me dá a convicção para enfrentar este desafio com segurança”, prometeu Miguel Geraldes.

Segundo um comunicado divulgado pela assessoria de Isabel dos Santos, empresária e filha do ex-Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, e agora líder do conselho de administração da Unitel, a decisão foi tomada na assembleia-geral da operadora de telecomunicações angolana, que decorreu em Luanda, na presença de representantes dos quatro acionistas que detêm a totalidade do capital social da empresa.

No comunicado é indicado que o novo conselho de administração, que integra mais quatro nomes – Amílcar Safeca, Miguel Geraldes, João Boa Quipipa e Luiz Rosa -, entrará em funções até 06 de maio, com o presidente a ser eleito na primeira reunião, nos termos previstos da lei.

A Unitel conta como acionistas com as empresas PT Ventures, Sonangol, Vidatel (de Isabel dos Santos) e Geni, todas com igual participação acionista de 25%. O general Leopoldino Fragoso do Nascimento (grupo Geni, próximo de José Eduardo dos Santos, ex-chefe de Estado angolano) é presidente da mesa da assembleia-geral da empresa.

Publicidade