“Estima-se que 29% do total do consumo de bacalhau em Portugal ocorra na época natalícia e que, na noite da consoada, sejam comidas entre quatro mil e cinco mil toneladas de bacalhau”, indicou, em resposta à Lusa, o diretor em Portugal do Conselho Norueguês dos Produtos do Mar (NSC, na sigla em inglês), Johnny Thomassen.

Portugal consome 20% de todo o bacalhau pescado no mundo, afirmando-se como o mercado que mais prefere este tipo de peixe.

No total, os portugueses consomem cerca de 70 mil toneladas de bacalhau seco salgado por ano, sendo que 70% de todo o bacalhau ingerido em Portugal vem da Noruega.

Já de acordo com a Associação dos Industriais do Bacalhau (AIB), as vendas de bacalhau na altura do Natal devem manter a trajetória dos últimos anos, embora se registe uma retração no consumo, provocada pelo aumento dos preços.

“O mercado internacional do bacalhau do Atlântico vem refletindo, ao longo dos últimos anos, a diminuição das possibilidades de pesca naquela que é a maior fonte desta origem, o mar de Barents, que é repartida entre a Rússia e a Noruega, a qual, associada a uma maior disputa pela matéria-prima por parte dos mercados de bacalhau fresco tem colocado pressão nos preços”, referiu, numa nota enviada à Lusa, a AIB.

Conforme assegurou esta associação, a “pressão” nos custos com a aquisição da matéria-prima tem “reflexo nos preços do produto final”, sentindo-se uma “ligeira retração no consumo em Portugal”.

Porém, a expectativa de vendas na época do Natal, que considera as que são efetuadas a partir de outubro, deverá manter-se “ao nível dos anos anteriores, representando um terço do total das vendas anuais”, notou a AIB, acrescentando que, em Portugal, o volume de negócios da indústria bacalhoeira cifra-se em quase 420 milhões de euros anuais.

Segundo os dados do NSC, anualmente, chegam a Portugal 1.500 toneladas de bacalhau fresco para serem tratadas pela indústria local, 26 mil toneladas são importadas em salga húmida (bacalhau verde), 30 mil toneladas chegam em produto finalizado, salgado e seco, e nove mil toneladas são provenientes da Islândia.

O bacalhau salgado seco continua a ser a forma de apresentação com maior quota de mercado em Portugal, porém, o bacalhau demolhado ultracongelado tem vindo a aumentar o seu peso nas vendas no mercado doméstico, representando mais de 30% de todo o bacalhau vendido.

O NSC é uma empresa pública subordinada ao Ministério da Pesca e Assuntos Costeiros, que tem como prioridade promover os produtos do mar da Noruega.

Por sua vez, a AIB é constituída por sete empresas e tem como objetivo promover o desenvolvimento do setor e das empresas e prestar informação sobre as diversas matérias inerentes à atividade.

Publicidade