Numa mensagem, o Presidente da República refere que recebeu na terça-feira a comitiva governamental do Luxemburgo, liderada pelo ministro da Cooperação e Ação Humanitária, Franz Fayot, que durante quatro dias visitaram Cabo Verde para ultimar o próximo Programa Indicativo de Cooperação (PIC) entre os dois países.

Segundo Jorge Carlos Fonseca, tratou-se de “uma importante visita ministerial” que antecede a próxima reunião da Comissão de Parceria, a ter lugar no Grão-Ducado, onde, provavelmente, será assinado o novo PIC, e a visita de Estado que fará ao Grão-Ducado, “a convite do casal grão-ducal, de 31 de março a 02 de abril do corrente ano”.

No Luxemburgo reside uma das mais importantes comunidades de emigrantes cabo-verdianos na Europa.

Em declarações aos jornalistas na segunda-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades cabo-verdiano, Luís Filipe Tavares, anunciou que o Luxemburgo vai aumentar em 15 milhões de euros o próximo PIC com Cabo Verde, passando a ser de 60 milhões de euros e que deverá ser assinado até julho.

Luís Filipe Tavares, que falava após uma sessão de trabalho com ministros luxemburgueses, lembrou que o atual PIC, que termina este ano, é de 45 milhões de euros, mas que o próximo programa de cooperação com o Luxemburgo, com duração de quatro anos, vai rondar os 60 milhões de euros.

Durante a reunião, os ministros cabo-verdianos e luxemburgueses passaram em revista todos os projetos de cooperação entre os dois países, passando pela água, saneamento, emprego, empregabilidade e luta contra pobreza.

“Começámos também a perspetivar um novo Programa Indicativo de Cooperação, que vai começar agora em 2021 até 2024, é um projeto que está orçado em mais ou menos 60 milhões de euros”, disse Luís Filipe Tavares.

O ministro afirmou que água e saneamento vão continuar a ser os “eixos estratégicos” da cooperação com o Luxemburgo, bem como a transição energética e ecológica.

A sessão de trabalho contou igualmente com a presença dos ministros cabo-verdianos da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, e da Indústria e Energia, Alexandre Monteiro.

“Há um clima de confiança muito grande entre o Luxemburgo e Cabo Verde, nós atingimos um patamar de excelência nas nossas relações e estamos a inaugurar uma nova fase na cooperação entre os nossos dois países”, enfatizou o chefe da diplomacia cabo-verdiana.

Luís Filipe Tavares avançou que as duas delegações estão a realizar um exercício de troca de ideias, mas que o objetivo é introduzir novas áreas à cooperação bilateral.

O ministro da Cooperação e Ação Humanitária do Luxemburgo, Franz Fayot, referiu que o quinto PIC vai ser assinado entre junho e julho, no Luxemburgo, no âmbito da reunião da comissão mista entre os dois países.

“É muito importante que continuemos os planos e os projetos em curso. O quinto [PIC] está bem adiantado e creio que vamos assinar em junho ou julho”, perspetivou o ministro.

As infraestruturas foi outra área da cooperação referida por Franz Fayot, que disse que Cabo Verde é um parceiro tradicional da cooperação luxemburguesa e que a visita serve para reiterar os esforços na ajuda ao país africano.

O governante luxemburguês fez ainda um balanço do programa em vigor, dizendo que é um processo contínuo, mas que de uma forma geral a implementação dos projetos no país é satisfatória.

A delegação luxemburguesa, que terminou a visita na terça-feira, integrava ainda os ministros do Ambiente, Clima e Desenvolvimento Sustentável, Carole Dieschbourg, e do Ordenamento do Território, Claude Turmes.

Publicidade