Em declarações à imprensa, à margem da II Assembleia Constituinte para criação do PRA-JA, Abel Chivukuvuku afirmou que aquela força política vai ser “uma certeza na vida dos angolanos”, justificando a sua convicção pelo facto de estarem a cumprir com a recomendação do Tribunal Constitucional.

O coordenador-geral da Comissão Instaladora do partido referiu ainda que o Tribunal solicitou o suprimento de algumas assinaturas, mas por iniciativa própria o PRA-JA decidiu acrescentar também as assinaturas reconhecidas pelos notários. A Lei apenas exige as certidões de residência.

Nos dias 25, 26 e 27 deste mês o partido vai pôr à disposição da sociedade o dossier que será remetido ao Tribunal. Ontem,os militantes foram informados sobre o processo de suprimento das insuficiências a ser remetido ao Constitucional, apreciaram e aprovaram o calendário da modalidade de apresentação do dossier e elegeram o corpo directivo.

Publicidade