A academia informou esta sexta-feira (04.05) que o prémio respeitante a 2018 vai ser atribuído em 2019.

A decisão foi divulgada após uma reunião da que concluiu que os escândalos financeiros e alegados abusos sexuais envolvem membros da Academia Sueca.

“Concluímos que é preciso tempo para que a Academia recupere a confiança antes da escolha do próximo laureado”, disse Anders Olsson, secretário da instituição através de um comunicado.

Olsson acrescenta que a decisão pretende respeitar os anteriores galardoados assim como os futuros vencedores do Prémio Nobel da Literatura, “assim como a Fundação Nobel e o público em geral”.

Escândalo sexual

Trata-se da primeira vez que, em tempo de paz, o prémio não será atribuído. Em 1943, a escolha do galardão foi adiada devido ao conflito mundial que começou em 1939 com a invasão da Polónia pela Alemanha nazi.

A instituição que atribui o prémio foi atingida pelo escândalo sexual que envolve Jean-Claude Arnault, casado com a poetisa Katarina Frostenson, membro da Academia Sueca, e que foi obrigada a demitir-se.

O debate sobre a crise ficou marcado por divisões entre os 18 membros, que são escolhidos para mandatos vitalícios, e que já levou à saída de sete pessoas que constituem o grupo.

 

Publicidade