Os premiados foram conhecidos na noite de sábado, numa cerimónia que decorreu na Assembleia Nacional de Cabo Verde, na cidade da Praia, que homenageou o cantor Dany Silva com a atribuição do “Prémio Carreira”.

Lucibela venceu o prémio “Morna” e o galardão da “Melhor Coladeira” foi para Roy Job ft. Grace Évora, pela composição “Xtoria d’bo Manera”.

Os CVMA 2019 distinguiram Nancy Vieira com o galardão “Música Tradicional” (“Bocas di Paiol”), tendo o prémio da Melhor Colaboração sido entregue a Loony Johnson ft. Zeca Nha Reinalda (“Homi Grandi”).

O “Melhor Produtor” distinguido nesta edição foi Roy Job, por “A Dedication”, enquanto Djodje ft. Olga venceu o “melhor Hip Hop/RnB”, com “Cidade Perdida”.

Na categoria “Afrobeat — Afrohouse” foi novamente distinguido Loony Johnson ft. Zeca Nha Reinalda (“Homi Grandi”), tendo o prémio “Melhor Ritmo Internacional” sido entregue ao cantor Dino d’Santiago por “Como seria”.

Djodje ft. Jimmy P (“A Fila Anda”) venceu o prémio do “Melhor Kizomba”, enquanto o “Melhor Funaná” seguiu para Tony Fika (“Nha Cutelo”).

Elji Beatzkilla foi o “Melhor em Palco”, enquanto Nancy Vieira foi considerada a “Melhor Intérprete Feminina”. O prémio de “Melhor Intérprete Masculino” foi entregue a Mirri Lobo.

Com a categoria de “Álbum do Ano” foi distinguido Roy Job (“A Dedication”) e o galardão da “Música Popular do Ano” foi para os Rapaz 100 Juiz ft. Calema (“Preparado”).

O prémio do “Melhor Videoclip” foi para Loony Johnson ft. Zeca Nha Reinalda (“Homi Grandi”).

Os Cabo Verde Music Awards (CVMA) realizam-se desde 2011, premiando todos os anos os melhores da música cabo-verdiana, em várias categorias.

As receitas de bilheteira da gala deste ano vão para o povo moçambicano, afetado pelo ciclone Idai.

Publicidade