O chefe de Estado pediu apoio aos deputados sobre o assunto, durante um discurso que decorreu no Parlamento no âmbito das celebrações do 74.º aniversário da independência que se assinala no sábado.

Widodo pediu “apoio formal” aos deputados “para mudar a capital nacional (Jacarta) para Kalimantan”, o nome indonésio da ilha que o país comparte com a Malásia e o reino do Bornéu.

“A capital não é apenas um símbolo de identidade nacional, mas é também a representação do progresso da nação”, disse o chefe de Estado durante o discurso que foi transmitido pela televisão sublinhando que a decisão pode ajudar também a alcançar objetivos de “igualdade económica”.

Widodo não especificou o local exato na ilha do Bornéu para onde pretende mudar a capital da República da Indonésia nem adiantou uma data para iniciar o processo apesar de o governo já ter defendido anteriormente que a primeira fase da mudança deve começar em 2024.

Em maio, o presidente visitou a parte indonésia da ilha e várias cidades candidatas a acolher a nova capital, entre as quais a zona conhecida como Bukit Soeharto, situada a 40 quilómetros da capital provincial do Bornéu Oriental, Balikpapan.

O chefe de Estado prometeu até ao final do ano anunciar o nome da nova capital administrativa do país, sendo que Jacarta, na ilha de Java, vai continuar a ser o centro financeiro e empresarial da Indonésia.

Na zona metropolitana de Jacarta vivem cerca de 30 milhões de pessoas que habitam igualmente as cidades satélites que rodeiam uma das capitais mais poluídas do mundo onde, por exemplo, os problemas de trânsito automóvel provocam prejuízos consideráveis ao Estado.

Devido às fortes chuvas e à extração de águas subterrâneas, as inundações provocam perigosos afundamentos de solos, sobretudo no norte de Jacarta.

A proposta sobre a mudança da capital procura igualmente ajudar a “redistribuir a riqueza no arquipélago” onde a maioria da concentração populacional está nas ilhas de Java e Sumatra, enquanto que ilhas como o Bornéu estão menos desenvolvidas.

Os planos de mudança da capital foram sempre considerados pelos vários governos da Indonésia desde o mandato de Sukarno que governou a República da Indonésia entre 1945 e 1967.

Publicidade