O vencedor foi escolhido hoje, por unanimidade, durante uma reunião do júri do prémio, presidido por António Sáez Delgado e que, este ano, integrou Pedro Serra, Ana Paula Arnaut, Cristina Firmino Santos e Anabela Mota Ribeiro.

Carlos Reis é “um dos mais relevantes ensaístas da atualidade”, tendo sido galardoado “pelo seu notável contributo no domínio do ensino da Literatura, dos Estudos Literários e da divulgação internacional da Língua e da Cultura portuguesas”, justificou a UÉ.PUBLICIDADEinRead invented by Teads

“Considerado um renovador dos Estudos Literários em Portugal desde o último terço do século XX”, o vencedor é autor de “uma vasta bibliografia”, que inclui mais de 200 títulos, “em várias áreas de pesquisa, desde os estudos queirosianos e estudos saramaguianos à teoria e didática da literatura”, acrescentou.

A “dimensão fortemente cosmopolita que sobressai em todas as suas áreas de trabalho” e a “atenção continuada” de Carlos Reis relativamente “à defesa da Língua Portuguesa, sobre a qual estabeleceu um pensamento estratégico, publicado e discutido”, são dois dos fundamentos invocados pelo júri para a sua nomeação ao prémio, que acabou por conquistar.

Instituído pela UÉ em 1996, para homenagear o escritor que lhe dá o nome, o Prémio Literário Vergílio Ferreira destina-se a galardoar anualmente o conjunto da obra literária de um autor de língua portuguesa relevante nos domínios da ficção e/ou ensaio.

A edição de 2020 do galardão, segundo a universidade alentejana, contou com nomeações oriundas de 16 instituições de quatro países.

A cerimónia de entrega da distinção está marcada para 1 de março do próximo ano, data em que se assinala a morte de Vergílio Ferreira.

Nessa sessão, referiu a academia, estão previstas intervenções do premiado, do júri e da reitora da UÉ, Ana Costa Freitas.

O Prémio Vergílio Ferreira foi atribuído, pela primeira vez, a Maria Velho da Costa, a que se seguiram, entre outros, Mia Couto, Almeida Faria, Eduardo Lourenço, Agustina Bessa Luís, Vasco Graça Moura, Mário Cláudio ou Luísa Dacosta.

José Gil, Hélia Correia, Lídia Jorge, João de Melo e Gonçalo M. Tavares foram outros dos premiados, tendo, na edição deste ano, sido galardoada a escritora brasileira Nelida Pinõn.

O vencedor do Prémio Vergílio Ferreira 2020 é professor e investigador da Universidade de Coimbra e, no passado mês de outubro, recebeu, na Guarda, outro galardão, o Prémio Eduardo Lourenço 2019, atribuído pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI).

Carlos Reis, especializado em Literatura Portuguesa dos séculos XIX e XX e em Teoria da Narrativa, é professor catedrático da Universidade de Coimbra, onde leciona Literatura Portuguesa, Teoria da Literatura e Estudos Queirosianos, e é coordenador do Centro de Literatura Portuguesa daquela instituição, tendo ainda lecionado em diversas universidades estrangeiras.

Publicidade