O projeto de exploração de gás natural da Área 1 do Norte de Moçambique prevê adjudicar contratos avaliados em 2.500 milhões de dólares (2.200 milhões de euros) a empresas moçambicanas durante as obras de construção, anunciou fonte oficial.

“O projeto espera adjudicar contratos de cerca de 2.500 milhões de dólares a empresas de capitais moçambicanos ou registadas em Moçambique durante o período de construção de cinco anos”, referiu o diretor-geral da petrolífera Total em Moçambique e do Projeto Mozambique LNG, Ronan Bescond, citado em comunicado.

A Total lidera o consórcio e o valor representa “mais de um terço” dos contratos a celebrar na infraestrutura em terra (excluindo aquela a instalar no mar), acrescentou.

A maior parte do remanescente “será aplicado em bens e serviços técnicos altamente especializados que atualmente não podem ser adquiridos em Moçambique”, disse ainda Ronan Bescond.

A Total está a promover sessões de apresentação de oportunidades de negócio a empresários moçambicanos em conjunto com as suas principais subcontratadas para as obras dos megaprojetos.

Trata-se do consórcio CCS JV contratado para engenharia, aquisições e construção da instalação de gás natural liquefeito (LNG, na sigla em inglês) e as empresas IFS (gestão de acampamento), Garda World (serviços de segurança), Gabriel Couto (construção de estradas), I-SOS (serviços médicos) e Renco (construção de acampamento).

A Área 1 prevê iniciar em 2024 a produção de 12,88 milhões de toneladas por ano de LNG.

Um outro plano de desenvolvimento está aprovado para a Área 4 da bacia do Rovuma, cujo consórcio é liderado pelas petrolíferas Exxon Mobil e Eni, que deverão anunciar a decisão final de investimento em 2020.

Publicidade