“Os números divulgados este mês mostram que o PIB de Angola aumentou 2,2% no primeiro trimestre deste ano face ao período homólogo, a primeira subida em mais de um ano”, escrevem os analistas numa nota sobre as economias africanas, com o título ‘Mais Más Notícias em Toda a Região’.

“A recuperação foi motivada pelos melhoramentos nas finanças, manufatura e setor petróleo voltaram ao crescimento depois de ter registado uma contração, anteriormente, mas a produção petrolífera foi muito fraca nos primeiros meses do ano, com os preços mais altos a compensarem o efeito nas receitas, mas até estas ficaram baixas pelos padrões recentes”, escrevem os analistas na nota a que a Lusa teve acesso.

O Governo de João Lourenço planeia abrir novas concessões e reformas a petrolífera estatal, “mas mesmo assim Angola deverá ficar em recessão outra vez este ano”, acrescentam os analistas.

A Capital Economics foge ao consenso dos analistas, que estimam um regresso ao crescimento económico já este ano, e antevê uma contração económica à volta dos 2% este ano.

“Apesar das fracas exportações, as autoridades conseguiram manter o kwanza basicamente estável contra o dólar durante este mês, com a inflação a baixar de 17,8% em fevereiro para 17,6% em março, devendo continuar a abrandar nos próximos meses, o que permite aos decisores políticos continuarem com o ciclo” de descida das taxas de juro.

Publicidade