A candidatura brasileira, que diz respeito à área de Paraty e da Ilha Grande e já tinha sido levada ao Comité do Património Mundial em 2009, tendo então sido devolvida, é a primeira classificação de caráter misto, do Brasil, de Património Cultural e Natural, aprovada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

De acordo com o parecer do comité, o destaque dado à biodiversidade, na região, foi decisivo para a classificação.

O Palácio Nacional de Mafra e o Santuário do Bom Jesus, em Braga, estão entre os 36 locais candidatos à classificação de Património Mundial da UNESCO, que o comité da organização analisa na reunião 43.ª Sessão do Comité, a decorrer em Baku, no Azerbaijão, desde 30 de junho.

A reunião termina na próxima quarta-feira.

Publicidade