“[O relatório de 2019 sobre a Situação da Saúde na União Europeia] mostra que o investimento na Saúde [em Portugal] precisa de ser reforçado e é nisso que estamos a trabalhar. Foi isso que fizemos ao longo da anterior legislatura, é nesse objetivo que estamos a trabalhar para o próximo Orçamento do Estado”, disse Marta Temido em Barcelos, à margem do 1.º Congresso Recovery Portugal 2019.

Para a ministra da Saúde, é um “bom relatório” para Portugal, “apesar de ter aspetos que indicam necessidade de trabalho de melhoria”.

“Mas, se não houvesse nada melhorar, o que estaríamos cá a fazer?”, adiantou.

Marta Temido destacou os “resultados muito positivos” que o relatório atribui a Portugal em termos de cuidados de saúde primários, de cobertura vacinal, de hospitalizações evitáveis, de aumento da esperança média de vida e das “boas tendências” da mortalidade evitável.

Para a ministra, a prioridade do Governo é o reforço da rede do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e a melhoria do acesso e qualificação da prestação dos cuidados de saúde.

“Não basta colocar mais verbas no SNS, é necessário um esforço significativo em termos de organização e adoção das boas práticas internacionais”, defendeu.

Segundo a ministra, cuidados de saúde primários, melhor integração de cuidados continuados, hospitalização domiciliária e “grande prioridade” à saúde mental são as principais apostas.

Publicidade