“O que acontece é que nós temos quatro candidatos da Frelimo [Frente de Libertação de Moçambique] na província do Niassa, Nampula, Manica e Maputo que não se recensearam justamente na província onde pretendem concorrer como governadores”, disse hoje à Lusa o mandatário da Renamo junto dos órgãos eleitorais, Venâncio Mondlane.

Trata-se de Júlio Parruque, Judite Massangela, Manuel Rodrigues e Francisca Domingos, escolhidos como cabeças-de-lista da Frelimo para as províncias de Maputo, Niassa, Nampula e Manica, respetivamente, apesar de não se terem recenseado nestas províncias, o que, segundo a Renamo, é uma irregularidade à luz da lei.

Publicidade