Uma fábrica de robôs para fabricar outros robôs? O cenário parece retirado de um filme de James ‘Terminator’ Cameron mas está previsto acontecer na fábrica que a suíça ABB vai construir na China e que deverá iniciar operações no final de 2020. A empresa suíça, que trabalha na automação industrial e robótica, entre outras áreas, vai investir 150 milhões de dólares numa unidade fabril em Xangai.

A fábrica deverá estar operacional no final de 2020 e irá produzir robôs para o mercado chinês, mas também exportar para outros mercados asiáticos. Presente em mais de 100 países e com cerca de 147 mil funcionários, a ABB tem na China o seu segundo maior mercado, depois dos Estados Unidos.

“Deixamos de olhar para o tamanho da fábrica e para o CAPEX de investimento como forma de responder à futura procura. O conceito por trás da nova fábrica é fazer o uso mais inteligente e flexível de cada metro de produção. E isso resulta da combinação de soluções ágeis de automação com as grandes capacidades das nossas pessoas”, diz Per Vegard Nerseth, diretor-geral do negócio de robótica da ABB, citado em nota de imprensa.

A nova unidade, com cerca de 7 mil metros quadrados, terá uma nave industrial composta por ilhas de automação interligadas em vez de linhas de montagem fixas. As soluções de logística automática da ABB serão implementadas em toda a unidade industrial, incluindo veículos autónomos que podem seguir os robôs à medida que eles se movimentam ao longo da linha de produção, fornecendo-lhe peças. Esta organização permitirá que a produção se adapte a mudanças no mercado chinês de robôs, sem necessitar de expansões de capacidade adicionais, descreve a empresa.

A fábrica irá ainda usar software que vai permitir a pessoas e robots trabalharem em grande proximidade. Pequenos robôs (os YuMI) – desenhados para trabalhar ao lado de pessoas – serão também instalados ao longo das linhas de montagem de pequenas peças, necessárias para fabricar um robô da ABB. A companhia não adiantou quantos trabalhadores humanos irão trabalhar na nova unidade, mas avançou que irá aumentar o emprego robô, neste momento situado em mais de 2 mil robôs na China, refere a Reuters.

Os robôs da empresa são usados na montagem de automóveis, de aparelhos eletrónicos e preparam-se agora para construir robôs para várias indústrias. A China está a expandir a sua força de trabalho robotizada, à medida que os salários dos trabalhadores têm subido e o país procura concorrer através de um elevado nível de automação da produção com países com níveis salariais mais baixos.

No ano passado, um em cada três robôs vendidos no mundo foram para a China, que comprou cerca de 138 mil unidades, segundo dados da ABB, citados pela Reuters.

Publicidade