A medida compulsiva abarca 700 lugares de culto dessa congregação religiosa em Kigali.

Um comunicado da Polícia refere que os indivíduos detidos serão acusados de actos de rebelião contra o governo e reunião ilegal, acrescentando que está em curso uma pesquisa para determinar se também estão envolvidos em manobras de incitação.

De acordo com a versão oficial, os lugares de culto que deverão ser encerrados não são templos formais, senão locais adaptados para esses fins, sem cuidados sanitários, nomeadamente água corrente, entre outros.

Publicidade