O primeiro-ministro são-tomense, Jorge Bom Jesus reuniu-se com todos diretores da administração pública, tendo-os alertados de serem “os  autores e participantes da execução do orçamento” e, “aqueles que não derem conta do recado” “dificilmente manterão na equipa”, soube-se hoje de fonte oficial.    

 “Todos nós, desde de mim, passando pelos ministros, pelos diretores, chefe do departamento, chefe de sessão, toda gente vai ser avaliada e aqueles que não deram conta na execução deste orçamento, dificilmente poderemos mantê-los na equipa”- disse Bom Jesus neste encontro sexta-feira, durante o qual, conversou com os diretores sobre a gestão da função pública, sobretudo, o orçamento geral do Estado, programa do governo bem como desafios e ações para 2019.

“Quisemos chamar os diretores que são os decisores intermédios da administração pública porque eles serão os autores, os participantes na execução deste orçamento para cumprir e fazer cumprir” disse Bom Jesus, sublinhado que “ eles próprios [os diretores] têm que dar exemplos, em termos de pontualidades, em temos de cumprimento processual, com muita celeridade porque temos muito pouco tempo”.

“ Eles [ os directores] têm que nos ajudar, eu próprio terei que sair do gabinete para ir também  para o terreno, poder monitorizar, poder acompanhar porque todos nós seremos avaliados, eles em primeiro lugar e membros do governo por mim e eu também serei avaliado pela população na minha capacidade de poder executar”, sublinhou, Jorge Bom Jesus.

O chefe do governo acrescentou ainda que “ o que ficou aqui espelhado é que temos muitos problemas, a maioria deles não são problemas conjunturais, são problemas estruturais que vêm de há muito tempo e tem-nos faltado coragem para vermos esses problemas de frente, tomar algumas medidas mesmo impopulares para resolver esses desequilíbrios, essas desestruturações”.

“ É necessário também uma função pública menos burocratizada” disse Jorge Bom Jesus tendo sublinhado que “ vamos trabalhar neste sentido, vamos responsabilizar cada sector” de modo a se atingir esta meta porque “ um investidor não deve esperar um mês para ter que registar uma empresa ou estabelecer um contrato”.

“ O desenvolvimento do turismo que é um sector transversal implica que haja um bom ambiente de negócio e para haver um bom ambiente de negócios a justiça tem que funcionar, os conflitos têm de ser rapidamente dirimidos, com uma justiça mais justa e mais próxima do cidadão”- disse Jorge Bom Jesus.

Realizado nas instalações da sede do parlamento, o encontro foi testemunhado pela ministra da Educação Ensino Superior Julieta Izidro Rodrigues, ministro do Trabalho Solidariedade, Família e Formação e o ministro da Juventude, Desporto e Empreendedorismo.

Publicidade