S. Tomé e Príncipe: Ex-Juiz Augério Amado Vaz faz carta aberta ao Presidente do Supremo Tribunal de Justiça

0

Tratando-se de uma carta aberta e atendendo à gravidade do conteúdo da mesma, a redação decidiu publicá-la, aguardando pela reação da parte visada, nesse caso o sr. dr. Silva Cravid, Presidente do Supremo Tribunal de Justiça de S. Tomé e Príncipe.

Transcrição do conteúdo da carta:

carta aberta ao Silva Cravid

Senhor Presidente do Supremo Tribunal da Justiça de São Tome e Principe, acredita – me que quem lhe dirige essa Carta, não tem absolutamente nada pessoal contra si. Nunca cruzamos em nada, apenas o que move é o interesse em que o nosso sistema justiça possa encontrar dias melhores, mas estou seguro que com Vossa Excelência não será uma realidade.
Nossa Excelência foi Juiz do cartório do Segundo Juizo, onde existia vários processos cíveis, providencias cautelares, que deviam ser despachados de urgência, Vossa Excelência, não despachou quase nenhum, o Vossa Excelência em vez de despachar andava a promover tentativas de conciliação e chegando mesmo a confrontar alguns clientes de advogados quanto tinha pago aos mesmo. Porquê será?
Sabe Vossa Excelência e bem que quando fui trabalhar no seu cartório limpei todas as providencias cautelares que vossa Excelência andava a deixar vegetar na Secretaria.
Vossa Excelência sabe que eu inclusive me declarei impedido para despachar uma carta Rotatória vinda de Cabo – verde contra mim e expliquei a Vossa Excelência, que devia encaminhar a referida carta ao Presidente do Supremo Tribunal na qualidade de Presidente do Conselho superior Judiciario, para autorizar a minha audição. O que fez Vossa Excelência, que até a presente data não fui ouvido?
VOSSA Excelencia enquanto Presidente do conselho de administração dos Tribunais o que fez?
Vossa Excelencia se recorda, que quando, Vossa Excelência recebeu as verbas da Comissão eleitoral nacional para pagar as Assembleias de apuramento distrital, devidamente descriminada, Vossa Excelência forjou uma outra lista subtraindo dinheiro dos matematicos e de outros membros da mesa o que me obrigou a rejeitar o dinheiro por vergonha da classe e de não aceitar presidir nem fazer parte da mesa tendo sido substituido por seu compadre Federico da Gloria que na altura ja era Juiz Conselheiro do Supremo estando por isso vetado a presidir a mesa de apuramento distrital? Quem é agora Presidente do Conselho de Administração? O dinheiro é bom e toda gente gosta, mas, a gentes que matam as suas proprias mães por ele.
Vossa Excelência quando estava como membro do conselho de Administração dos Tribunais o que fez?
Como é que vossa Excelencia adquiriu duas casas do Estado sem pagar nenhum tostão até a presente data?
Vossa Excelência não sabe que o seu parente apresentou uma certidão passada pela Universidade do Porto, quando la nunca tinha estado e sendo classificado de medíocre vossa Excelência o matem no cargo de juiz?
Vossa Excelência demitiu o seu diretor de gabinete por suposta tentativa de corrupção e nunca apresentou queixa crime contra o mesmo. O seu assessor jurídico não teve a mesma sorte. Porquê?
Porque Vossa Excelencia depois de ter visto a cor de muitos Euros, e pela ganancia tentou saber se era mais dinheiro e como o seu assessor ficou com uma partinha que devidiu com o seu compicha, pensando que foi o Fradique que deu a massa toda o Federico seu comprade foi ter com ele, com um unico objectivo amealhar mais massa. E esta tudo bem gravadinho embora sendo uma gravação que não serve de prova por não ter autorização judicial, serve como pista para investigação. Nesse particular quero aqui felcitar Fradique de Menezes, porque eu sei por experiência propria, tendo eu enquanto Juiz lhe condenado por duas vezes em processo civil ele embora sendo na altura Presidente da Republica nunca tentou usar das suas influencias para travar o processo.
E sabe porquê que Vossa Excelência pensou que a massa vinha do Fradique?
Porque sendo Fradique amigo do seu assessor e porque também devia estar cheio da massa porque por intermedio da Alice conseguiram condenar o Estado a pagar Fradique muita massa e porque sabia que o Governo estava a querer reaver a casa que Alice prima do Fradique deu a MDFM, provavelmente em troca dum apartamento no campo de milho.
Como o tiro vos saiu pela culatra decidiram tentar matar o Justino o Justino até nesse particular é mais sério do que a quadrilha.
Vossa Excelência foi membro do conselho Superior Judiciario sabia claramente que o Conselho mandou mal arquivar o processo e ninguem piou nesssa decisão. Porquê que aceitou a massa? La plata me gusta.
Vossa Excelencia até em negocios particulares aproveita da sua posição de juiz.
O terreno da sua falecida avó San shibinha, cu da bo crocon gandu cume, foi motivo para Vossa Excelencia mandar para cadeia um professor honesto.
Vossa Excelencia vendeu um terreno para o Maito e passando mais de dez anos quer estorquir o pobre mais dinheiro só por ser juiz.
Vossa Excelência se lembra, quando estivemos juntos no cinquenta anos do aniversario do Bano, na Quinta dos prazeres, em que vossa Excelencia na qualidade de juiz num processo em que o mesmo figurava, quando Vossa Excelência quiz invejar o Bano o escandalo que lhe fiz na presença das minhas irmãs e do Bano. E sabe porquê? Porque o ser humano erra mas, insistir permanentemente no erro é modestia.
Vossa Excelencia e o seu compadre que viajaram juntos depois de matar o Justino não têm noção do mal que estão causando o nosdo país.
Vossa Excelência e o seu compadre deviam pedir a demissão imeditada do cargo e entregarem a justiça. Deus perdoa e o homem também, mas quem faz mal na terra tem que pagar antes de partir.
Se Vossas Excelencias, não tiverem dignidade de pedirem a vossa demissão, a Assembleia deve reunir e proceder em conformidade.
Não há mal que dure cem anos nem o corpo que resiste.
Estou de olho.
Só com Cristo!

Imagem de alguns comentários:

Publicidade